ENCONTRO NO UNIVERSO VIRTUAL

 Numa noite em que o sono não chegava e eu estava muito triste, entrei na sala de bate-papo. Achei estranha minha decisão, porque não era meu costume fazer isso. Porém, tinha certeza do que deveria fazer naquele momento. Tinha rezado, antes de deitar, pedindo a Deus que me ajudasse a entender o que estava acontecendo comigo. Não tinha um motivo especial pra estar triste e isso fazia como que eu não pudesse adormecer. Foi quando levantei e fui para o computador.

Tentei teclar com várias pessoas que me chamavam para isso, mas nenhuma delas conseguia me passar algo de bom. Quando já estava pensando em sair, surgiu o Jean. Começamos a teclar e senti uma vibração muito gostosa em nossas conversas. Aceitei que fossemos para o MSN, pois sempre se tem o recurso de deletar e bloquear se desejarmos terminar o contato. A foto era a confirmação do que eu imaginava: alguém que irradiava beleza interior e muita sensibilidade.

Nossas conversas foram ficando cada dia mais interessantes e gratificantes. Tudo era falado com muito calor humano, com delicadeza, mesmo os desejos eram manifestados com sensualidade sem serem agressivos. Clareza e rapidez de raciocínio demonstravam a inteligência de Jean e isso cada vez mais me fascinava.

Ver pela primeira vez seu rosto na webcam foi maravilhoso. Seu rosto lindo, olhos um pouco tristes, mas expressando muita verdade. O som de sua voz me fazia desejar ouvi-lo falando pessoalmente comigo. Com o passar do tempo surgia um sentimento que me dava medo: apaixonar-me. Mas foi inevitável controlar e isso aconteceu.

Eu também conversava com sua família, principalmente com a  sua mãe e seu filho, fruto do seu casamento. Agora é divorciado.

Jamais esquecerei quando pela primeira vez  depois de aproximadamente seis meses mos falando disse: – Norma, eu te amo! Olhando-me muito sério. Não quis acreditar, mas foi como se a ligação fosse formada porque eu também sentia que o amava.

O desejo de nos conhecemos pessoalmente foi se tornando inevitável.  Como diz a música que fizemos juntos quando nos encontramos: “Ousamos nos conhecer”.

Tudo o que eu pensava e sentia sobre ele foi confirmado e muitas vezes multiplicado.

Pela primeira vez na minha vida vivi plenamente sendo quem sou sem medo. Parecia que só existíamos nós dois no mundo. No nosso pequeno mundo.

Os dias que passamos juntos foram mágicos. Diferença de idade não foi sentida. Éramos duas pessoas que tinham muito em comum.

Jean tem uma espiritualidade muito forte. Ele não acredita no seu pontecial, na sua capacidade e da grandiosidade de seu talento musical. É iluminado e toca com sentimento, talvez por essa sensibilidade, tenha sido muitas vezes magoado.

Moramos em cidades distantes fisicamente, mas espiritualmente pertos.

Pensar nele é voltar a sentir desejo de estar junto novamente, sempre, sempre, sempre…

O sentimento é recíproco, sempre manifestado em nossas conversas por telefone.

Voltaremos a nos encontrar? Não sei. Só sei que valeu a pela viver tudo o que vivemos e que foi em um momento especial da minha vida e que fez a diferença na minha caminhada.

 

 

 

 

 

 

 

  • Digg
  • Del.icio.us
  • StumbleUpon
  • Reddit
  • Twitter
  • RSS

Cometários fechados.